8 de junho de 2018

Nós de um lado e ela do outro... Isso não está dando certo.

Olá amades, amigues, seguidorxs e flores que brotam no jardim chamado Terra...

Esta é uma história curta oferecida pelo biólogo e cientista Bruce Lipton, 

com uma consciência amorosa do que nos une...
e com insights em relação à crise social/ambiental evolutiva atual:


NÓS x ELA
...isso não pode dar certo!

Por quase 2000 anos, a história bíblica judaica-critã da Gênese cultivou uma separação entre os humanos e o resto da Natureza. 

De acordo com a história, nos primeiros cinco dias da Creação, Deus proveu luz, água, e ar, terra com vegetação, e peixes e aves.O dia 6 começou com a criação dos animais e culminou aquela tarde com a criação "especial" de Adão e Eva, a origem dos humanos.

É como se Deus fornecesse a Adão e Eva, o ponto alto da Sua criação, um lar "mobiliado", totalmente decorado com plantas e animais, um verdadeiro "Jardim".


Esse conceito implica que a separação existe entre humanos e a Natureza que eles "herdaram". Com essa perspectiva, que diferença faria se pessoas movessem por aí seu "mobiliário" ambiental, ou até o destruíssem? 

Essa filosofia destaca a característica "especial" do ser humano sobre todo o resto da Natureza, uma crença que, em adição à separação, sugere que humanos são dotados com o status especial de ter domínio (lê-se: dominação) sobre o Jardim.

Como se o mundo fosse feito especificamente para humanos.


O relacionamento da humanidade com a Natureza não se saiu melhor quando a Ciência Materialista, a civilização atual no planeta, substituiu a regra monoteísta judaica-cristã no modelo de crenças culturais da civilização.

A história científica das origens, a teoria Darwinista, enfatizou que a evolução é iniciada por uma mutação genética aleatória que altera o destino de um organismo em desenvolvimento. O destino final desse organismo alterado é determinado por um teste de aptidão na luta pela sobrevivência, um processo de filtragem conhecido como seleção natural.


A Ciência Materialista perpetuou a desconexão da civilização de sua Natureza por discursar que a evolução é iniciada por um acidente genético. 

Por definição, uma origem acidental pressupõe que não há propósito na evolução de uma nova espécie.

A teia da vida só representaria a "coleção" de criações aleatórias de organismos. Consequentemente, nós não temos uma ligação de fidelidade ou submissão ao meio ambiente ou a qualquer uma de suas formas de vida.

Essa perspectiva é expressa como uma batalha de dominação de NÓS (humanidade) contra ELA (Natureza)

E o que a gente fez com esse "domínio"? 
"Nós cimentamos o Paraíso e o transformamos em um estacionamento".


A humanidade está agora em meio à 6a Extinção em Massa da vida na Terra. Cinco extinções em massa que ocorreram previamente foram atribuidas a eventos ambientais destrutivos, como asteróides atingindo a Terra e acabando com o meio ambiente ou períodos de atividades geológicas massivas (como terremotos, vulcões, mudanças climáticas).


A causa da 6a extinção em massa de hoje é bem mais perto de casa... É o resultado do comportamento humano. 

Enquanto humanos em si não causaram a mudança climática, nossas atividades, como a queima de combustíveis à base de óleo para empoderar nosso mundo, ou desmatar as florestas tropicais para fazer mais churrasco, estão claramente exacerbando a situação e acelerando os efeitos danosos e fatais do aquecimento global.


Outras atividades humanas, como a agricultura industrial, com seu uso de toxinas ambientais perigosas, a pesca exagerada dos recursos do oceano e a destruição dos criadouros marinhos, a poluição do solo, da atmosfera e dos mares com petroquímicos tóxicos, e a exploração dos minerais da Terra e a erosão da sua crosta estão todos acelerando o evento de extinção.


Como Steve Bhaerman e Bruce Lipton escreveram em Evolução Espontânea:
"Se as tendências atuais continuarem, metade das espécies terão sido extintas dentro de um século."

Enquanto nossas rotinas diárias vão continuar mesmo sem os leões vagueando pelo Serengeti (a gente pode visitá-los no zoo, néam?) não existe vida fora da teia da vida.

Não dito, mas definitivamente implicado entre os avisos de extinção de plantas e animais, está iminente nossa própria extinção humana.


Geólogos descrevendo a evolução do nosso planeta têm subdividido a história da Terra em "capítulos" chamados Eras ou Idades.

Desde o fim da última "era do gelo", aprox. 11.700 anos atrás, até recentemente, o planeta esteve no que os geólogos chamam de Idade do Holoceno.

No entanto, nós acabamos de entrar em uma nova era geológica, o Antropoceno. Esse período é definido como a era em que a atividade humana se tornou a influência dominante em modelar os processos sistêmicos da Terra, como o clima e o meio ambiente.


Uma das piores contribuições para a crise ambiental de hoje é a indústria petroquímica. Operando sem um compasso moral, eles tem mentido ativamente para o público e tem manipulado pesquisas e noticiários para dar suporte a suas atividades comerciais, enquanto sugerem que as mudanças climáticas não passam de uma anedota.

Eles promovem descaradamente a extração destrutiva como se fosse ambientalmente segura. No entanto, cada uma dessas atividades demonstrou claramente que prejudica o ambiente e acelera nossa própria morte. 

E por que razão estão acabando com o meio ambiente? Por ganância!


Eldridge Cleaver, autor e ativista político, escreveu: 'Não há mais neutralidade no mundo. Ou você é parte da solução, ou você vai fazer parte do problema'.


O "problema" revelado no noticiário de hoje é que companhias de petróleo estão buscando executar um oleoduto desde os campos de xisto no Canadá para os EUA através das terras intocadas e protegidas que o governo concedeu aos Americanos Nativos em Dakota do Sul. 

Oleodutos não só viabilizam e apoiam a indústria mais destrutiva do ponto de vista ambiental, extraindo óleo da rocha de xisto, eles também são responsáveis por 40 ou mais acidentes em tubulações por ano, eventos que resultam em explosões mortais, incêndios e contaminação maciça por vazamentos de óleo.


A "solução" para essa degradação ambiental está sendo trazida à tona por um pequeno grupo de nativos americanos. 

Dez mil anos atrás, nessas mesmas terras, os povos aborígenes viviam em harmonia com a natureza e serviam como guardiões do Jardim. Embora tenham sido levados à submissão nos últimos 300 anos, hoje eles reuniram forças para levantarem-se contra os gigantes corporativos e os capangas que esses contrataram para eliminar a resistência ao desejo das corporações de profanar terras sagradas na sua busca por mais lucros.


Para fazer parte da “solução” neste impasse ambiental, cada um de nós deve se levantar, expressar nossas opiniões e reunir forças para dar suporte a nossos Nativos Americanos. Nós podemos nos juntar a nossos irmãos e irmãs aborígenes e protestar contra a destruição devassa defendida pela ganância corporativa. [link para apoiar à distância, em inglês >>>aqui]

Em um nível pessoal, cada um de nós pode apoiar ativamente a Mãe Gaia ao se comprometer integralmente com a conservação ambiental, consumindo menos e eliminando menos resíduos, um ato que conserva os recursos de um lado e também reduz o lixo que está poluindo nosso meio ambiente de outro.


Isso não significa que todos nós devemos sair em uma cruzada para limpar o mundo ... tudo o que temos a fazer é começar em nossos próprios quintais, e podemos desacelerar as mudanças ambientais que ameaçam a vida através de nossa ação coletiva

Nossos esforços hoje fornecerão à geração Millennial um tempo valioso para se unirem como uma comunidade poderosa e, por meio de sua sabedoria coletiva, moldar um futuro melhor para nossos filhos, seus filhos e seus filhos, e assim por diante.


Viver como um aborígine e experimentar a sua vida como uma extensão da Natureza melhora profundamente os nossos corações e a nossa saúde. Quarenta e cinco pessoas acompanharam o chefe Cree White Standing Buffalo e a mim para participar da cerimônia mais sagrada dos Nativos Americanos das Planícies, a Cerimônia de Sundance. A vida de todos os visitantes presentes foi absolutamente transformada por estar vivendo e trabalhando entre aborígines da Primeira Nação nos campos das montanhas imaculadas da Colúmbia Britânica. 

Vivenciando a vida como um nativo que honra o planeta e todas as suas formas de vida, incluindo toda a humanidade, sentimos a harmonia primordial e amorosa entre a Natureza e a humanidade, uma consciência que transformou profundamente as vidas daqueles que estavam presentes.

A conclusão é simples: no mundo "novo" em evolução, não há mais NÓS e ELA ... porque somos UM.


fonte: https://www.brucelipton.com/newsletter/think-beyond-your-genes-september-2016




OBS: Imagina que você pode se conectar com o planeta Terra enquanto cuida da sua própria energia e alegra sua casa e sua vida porque cria terrários Planetinhas, Jardins que Fazem Bem e Cabem em Qualquer Lugar. Imagina que isso é possível agora mesmo. E experimente fazer seus Terrários Planetinhas:  http://peperomiaurbana.com.br/planetinhasexpress
Você tem 7 dias para devolver o curso e ter seu pagamento reembolsado se você não gostar. Então é grátis conferir essa oportunidade. Acesse: Terrários Planetinhas

6 de junho de 2018

5 razões por que vive mais quem tem plantas



Não é só sobre viver por mais tempo...
Mas sobre viver = “VIVER” 
...e não só ser um ser no automático que acha que está vivo só porque respira.


VIVER é sobre ter saúde para apreciar o que a vida oferece.
É sobre escolher sabiamente quando a vida traz bifurcações...
É sobre perceber as bifurcações que a vida apresenta, pra poder escolher o caminho que leva você na direção que você quer chegar.


Eu sou uma grande apreciadora das plantas pela conexão com toda a Natureza que elas têm.
E por todos os estudos que buscam a Verdade, sejam da física quântica mais recente ou do texto de 5 mil anos de vedanta, uma realidade aparece em comum: estamos todos interligados por um mesmo ‘algo’ que faz a nós e faz tudo que tem vida.
Uma malha que cria a vida. E toda vida é Natureza.


Enquanto nos últimos séculos perdemos a noção de que somos parte da Natureza – e criamos a ilusão de estarmos separados dela, como se fôssemos superiores a ela...

...fica cada dia mais claro que é o retorno à Natureza, o retorno à essência do que você é, que leva você a ter uma vida plena e livre de preocupações desnecessárias...

...o que esclarece também que stress, ansiedade, depressão e outras tantas doenças atuais que estão se tornando comuns são, na verdade, todas evitáveis se estivermos conectados a quem realmente somos.


Essa própria reconexão pode ser o porquê da vida.


Mas antes de embarcar em jornadas longas de retiros e longos períodos de meditação, quero sugerir algo muito mais simples...

...que está ao nosso alcance agora, em qualquer cidade, em qualquer lugar...

...e que vai fazer toda a diferença na sua vida.


Você pode começar trazendo a presença da Natureza para seu dia a dia... 
Você pode começar reconhecendo a presença das plantas na sua vida. 
(e colocando mais plantas em casa)


Se você tem horta em casa, você tende a se alimentar melhor, comer mais vegetais – o que aprimora significativamente a saúde -  e ter alimentos livres de agrotóxicos, regados com água limpa, e todo um ambiente que garante a qualidade desse alimento.


Se você tem plantas dentro de casa, você tem um ar com muito melhor qualidade. As plantas contribuem para a regulação da umidade do ar, o controle da temperatura, a filtragem de barulhos externos... quem tem plantas em casa tem um lar com melhor qualidade.


    - Umas mais, outras menos, mas a maior parte das plantas têm essa qualidade: elas filtram parte da poluição do ar. Existe uma química mágica que as plantas fazem, algumas com as folhas, outras com as raízes, que pegam os poluentes do ar e transformam em outras substâncias, limpando o ar.




Conforto estético. As plantas emprestam ao ambiente em que estão uma beleza acolhedora. Isso é importante porque na sociedade de hoje são infinitos os impulsos de ameaça que recebemos, e acabamos passando tempo demais nos sentindo alertas, como quem precisa se defender. E isso não é o nosso estado natural, então acaba levando a altos níveis de stress e ansiedade. A sensação de acolhimento que as plantas trazem ao ambiente pode funcionar como auxiliar regulatória do sistema bioquímico do corpo, que leva ao aprimoramento da saúde como um todo.


Quem cuida de plantas tem maior saúde emocional. O fato de você dedicar alguns minutos por dia para apreciar uma planta aumenta sua saúde emocional, deixa você menos suscetível a doenças e aumenta a produtividade.



 Aqui existe um terreno imenso a ser explorado com base nas novas descobertas de poderes milenares que a Natureza colocou em cada um de nós... mas isso está reservado a poucos, a pessoas inteligentes, que estão abertas ao novo e às informações que saem do convencional. [se você é uma dessas pessoas, esteja atenta aos próximos comunicados]


Eu desejo que você tenha uma vida cada dia mais relacionada à Natureza que você realmente é.


9 de maio de 2018

Estudo Revela: Plantas se Comunicam por suas Raízes


Um estudo publicado esta semana no diário Plos One mostra que plantas se comunicam umas com as outras de uma forma única. O artigo, intitulado "Estímulos mecânicos acima do solo afetam a comunicação subterrânea planta-planta", ilustra que plantas usam suas raízes para instigar suas vizinhas a crescer, quando em ambientes cheios e competitivos, pela secreção de químicos nas suas raízes.

"Se nós temos um problema com nossos vizinhos, nós podemos simplesmente nos mudar," Velemir Ninkovic, ecologista na Universidade Sueca de Agro-Ciência em Uppsala e autor principal, disse ao The Guardian. "Plantas não podem fazer isso. Elas aceitam isso e usam sinais para evitar situações competitivas e para se preparar para futuras competições."

Décadas de Evidência


Evidências de que plantas se comunicam de alguma forma estão por aí há algumas décadas. Em 1997, a professora de silvicultura da Universidade da Columbia Britânica Suzanne Simard descobriu as primeiras peças da pesquisa que levaria à teoria da "internet fúngica(1)".

Suzanne encontrou as primeiras evidências de que há transferência de carbono através dos micélios(2). Isso a leva a teorizar que árvores se comunicam umas com as outras por uma teia de micélia que conecta suas raízes, permitindo que transfiram informações. Em outras palavras: uma internet fúngica.
(1) que se refere a fungo
(2) aparelho vegetativo dos cogumelos (fungos)

Suzanne depois postulou que árvores de grande porte prestam ajuda para as mais jovens e menores usando essa rede de fungos. No documentário de 2011 Do Trees Comunicate? (As Árvores se Comunicam?), Suzanne diz que essas árvores "estão interagindo umas com as outras, ajudando-se a sobreviver."

Estudos mostraram que as plantas adaptam suas estratégias de crescimento como resposta a estímulos de outras plantas. Algumas árvores tem seu crescimento frustrado sob condições abarrotadas de competição enquanto outras redirecionam seus recursos para expandir mais agressivamente acima do solo.

Cooperação


Outro estudo agora ilustra que as comunicações e as adaptações entre as plantas também acontecem em resposta a elementos químicos secretados no solo. A pesquisadora e sua equipe testaram sua teoria em sementes de milho germinadas, que são conhecidas por aumentar seu crescimento em condições estressantes.

A equipe começou a acariciar as folhas das plantas por um minuto por dia usando um pincel de maquiagem, para simular o toque de uma planta vizinha. Então colocaram uma nova planta na solução de crescimento da planta estimulada.

A planta nova, que até então não tinha sido estimulada, se comportou da mesma forma que a planta estimulada, redirecionando recursos para gerar mais folhas e menos raízes. No entanto, novas plantas colocadas em soluções de crescimento de plantas que não foram estimuladas não se comportaram dessa maneira.

Essa pesquisa é mais um passo à frente para entendermos a complexidade das plantas o que antes era acreditado como mundo darwiniano. No entanto, por sorte, parece que a realidade não é simplesmente a sobrevivência do mais forte para esses companheiros vegetais. Entre elas, avisando uma à outra e simplesmente redirecionando seus recursos para se adaptar a seus vizinhos, as plantas parecem estar fazendo um trabalho muito melhor em co-existir do que os seres humanos.




13 de abril de 2018

Por que Jardinagem Faz Bem?

Já pensou em Jardinagem Sutil?

E o que será que está por trás do bem estar que as pessoas sentem ao adentrar uma mata nativa?




Quando você faz uma caminhada por uma trilha, em uma mata nativa...




...você pode se perceber deixando os problemas pra trás, pensando com mais clareza...

...e terminar o passeio "recarregada/o de energia"


Você já percebeu isso?



Tudo o que é vivo tem um campo de energia em torno de si. 


Isso não é misticismo, não. Todos os seres tem um campo de força magnética que é emanada de si.


E todos os campos influenciam um ao outro.


Quando você está na mata nativa, você pode permitir que toda a energia mais pura da natureza adentre o seu campo individual.


E, como você também é Natureza...


...você se sente bem :)



Mas não é só isso, não...


Você também influencia o que está em torno de você :)

Essa uma das razões por que conversar com as plantas favorece seu crescimento saudável... 

...é por causa da energia, e não das palavras...


...afinal, plantas não falam português ;P



O seu carinho vale mais que cem palavras.


Porque o campo magnético gerado pelo coração é mais de cem vezes mais forte do que o campo gerado pelo cérebro (1)



Quando eu falo com você sobre Jardinagem Sutil, é sobre o poder que nós temos de trabalhar essa energia gerada pelo coração...


...para você trocar e retroalimentar sua energia com as plantas e a Natureza...


Mas é mais do que isso. Porque:


"Irradiar amor para o campo de energia planetário aumenta a energia positiva, fazendo com que seja mais fácil para o planeta e seus habitantes mudar e transmutar a energia negativa acumulada. Simplesmente enviar dois minutos de cuidado amoroso por dia para a mãe Terra pode fazer uma grande diferença." (1)


E uma prática assim, que envolve o carinho pela Terra e também o equilíbrio da sua própria energia a cada vez que você faz os seus mini jardins, você encontra nos cursos da Peperômia Urbana.



Para começar a praticar isso com seus jardins, agora mesmo, você pode se inscrever no nosso curso de terrários Planetinhas.


>>> Quero saber mais sobre os Terrários Planetinhas 



"Mais e mais pessoas estão sentindo a intuição de participar desses tipos de exercício por causa de um senso crescente de responsabilidade como cuidadores. É uma responsabilidade como - tirar o lixo quando habita um lar familiar"(1)



Venha fazer a diferença na sua vida e no mundo.


Tem também alguns presentes pra você... e você tem sete dias grátis para experimentar.



>>> Quero saber mais sobre os Terrários Planetinhas 


Um abraço de Luz!

Leticia Momesso
Criadora e Idealizadora da Peperômia Urbana
Jardins que Fazem Bem e Cabem em Qualquer Lugar


(1) de Heart Math Institute; heartmath.org 

"Radiating love into the planetary field environment increases the positive energy, making it easier for the planet and its inhabitants to shift and transmute the accumulated negative energy. Even sending two minutes of loving care a day to mother earth can make a big difference. More and more people are feeling the intuitive nudge to participate in these types of exercises because of a growing sense of responsibility as caretakers. It’s a responsibility like – taking out the trash while dwelling in a family home."

24 de março de 2018

Não é Qualquer Terrário...

= O que você vai ler aqui hoje é um diálogo real. =


Esses dias recebemos aqui na Peperômia um email...

...que nos lembrou que nunca devemos nos acostumar.

Nós nunca devemos achar comum o que nós sabemos.

O que você sabe tanto que já esqueceu que outros não sabem?

E não é bom demais compartilhar?


Recebemos o email da Rau, que, entre outras coisas, dizia assim:

"...eu me apaixonei e tive a ideia de fazer esses jardins em pequenos vidrinhos, achei que não daria certo até encontrar seu blog e ver que da certo sim haha.(...) eu quero presentear amigos com esses vidrinhos"


O que a Rau não sabia é que tem muito mais "nesses vidrinhos"...

...então eu compartilho com você, aqui, o que compartilhei com ela ;)


--

Olá, Rau! Tudo bem?

Fico contente por você ter encontrado a verdade sobre os Jardins Planetinhas :)

Eu posso passar pra você todos os detalhes de como fazer, quais são as plantas indicadas, onde encontrar os vidros...

...como cuidar para que durem muito, onde manter com a iluminação ideal...

... não é tudo de bom?


E tem mais ainda:

Imagina que os Jardins Planetinhas podem ser um meio de você se desligar do mundo e encontrar a felicidade dentro de você.

Parece bom demais pra ser verdade?

Isso é real e é relatado por várias alunas aqui da Peperômia ;)


Depois que fiz o curso de Planetinhas com a Leticia eu realmente consegui me conectar com a natureza. Minhas plantas aqui do apê não iam pra frente nunca. Agora eu tenho uma “floresta” e me sinto realmente conectada com elas, como se elas falassem o que precisam. E quando alguma floresce é uma alegria imensa" - Simone U. de São Paulo-SP 
"Eu aprendi a olhar para dentro de mim. Aprendi com a Leticia e a Peperômia Urbana que tudo o que eu precisava era acessar a minha natureza interna e cuidar melhor de mim". - Daniele Alcantara, do Rio de Janeiro - RJ 
Como são muitos os detalhes para poder aproveitar todo esse potencial que os Jardins Planetinhas têm...

...eu acabei compilando todos os ensinamentos em um curso online que você pode acessar de onde quiser :)


Então convido você, a conhecer essa proposta, sem compromisso... pode ser?

É só acessar aqui para conhecer a proposta...

... e você vai descobrir como surpreender seus amigos e fazer Jardins Planetinhas incríveis para sempre:


Vejo você jajá ;) 

--

Enquanto eu escrevo este post, a Rau é a mais nova aluna aqui na Peperômia Urbana <3




Um abraço de Luz!

Leticia 


18 de janeiro de 2018

Por que Peperômia?




Muitas pessoas perguntam... Poucas sabem o que está por trás desse nome.

E você vai passar a saber hoje como surgiu a Peperômia, se continuar a ler este artigo :)



Aconteceu há algum tempo já... era 2009, talvez antes, e a vida estava chata. 


Era uma vida morna, atrelada a um trabalho que tinha parecido uma oportunidade boa de início...


...mas que estava me levando a mais um receituário de antidepressivo.




Na verdade era um modelo de vida que é bem comum atualmente, fácil de encontrar nos consultórios médicos.


A gente vai ao médico, pode ser qualquer um, do PS ao ginecologista, e é fácil sair de lá com um receituário de um comprimido que vai deixar você mais feliz.


Mas isso não resolve. 


É como tapar o sol com a peneira.


É deixar a sua vida atrelada a um pagamento mensal de drogas e inúmeros efeitos colaterais.


É deixar sua vida nas mãos de indústrias químicas. E isso era, definitivamente, o que eu não queria para mim.



Não sei se você já passou por isso, mas eu estava simplesmente sem rumo, sem saber o que fazer, o que mudar, pra onde ir.


E, como uma Luz que desce à consciência, recebi a inspiração:


"A gente deve seguir o coração".



E você hoje deve perceber que tem muita mídia falando sobre "você deve ser você mesma"...


- até propaganda de cachaça com esse tema eu já vi! -


...mas em 2008, 2009 isso não era assim, não.



E eu me senti meio hippie, meio louca...


...mas ao mesmo tempo eu já tinha começado outras carreiras em que o foco era externo, eram oportunidades de mercado e tal...


...e aí o sucesso é incompleto, porque dentro a gente se sente vazia.



Então "seguir o coração" naquela hora era uma boa esperança.


Faz sentido pra você?


O que você faria?


Eu fui meditar... 


...Com a disciplina de quem quer e acredita em algo melhor.



É incrível o milagre que acontece quando a gente dedica uma hora pela manhã, todos os dias, à conexão com o coração.


- e, na verdade, hoje você pode aprender formas mais rápidas e efetivas em alguns cursos da Peperômia, técnicas aprimoradas e potencializadas de fazer essa conexão.



Naquele tempo eu ainda não tinha optimizado a técnica, então foi com uma prática de uma hora inteira de meditação, dentro de uma rotina de fazer isso por vários dias...


...Foi assim que, me sentindo completamente envolta em Luz, veio até mim uma resposta na forma de uma palavra-chave.



Chagou de uma forma insperada e incompleta, sem orientações claras, daquele jeito que a gente "entende-mas-não-entende"...


...de um jeito que você se pergunta "o que é que eu faço com isso?".



Veio só uma palavra, solta:


"Plantas".


E eu realmente me perguntei:


"O que é que eu faço com isso?"



E, sem nenhuma resposta mais clara, fiz o que a gente faz...


...fui procurar referências no Google :P


Me apaixonei pelo que encontrei...


Como você vai ver se fizer qualquer pesquisa rápida, a internet tem milhares de projetos com plantinhas que enchem os olhos...


...mas que, na hora que você faz aqueles projetos em casa...


...simplesmente não dão certo. 


Que frustração. 



E, várias frustrações depois, eu fiz o que era certo pra mim e fui estudar jardinagem.



Entrei na fila de meses de espera até chegar o dia da matrícula na Escola Municipal de Jardinagem de São Paulo.


E a escola é dentro do parque do Ibirapuera...


E eu percebi que quando a gente é "obrigada" a estar em contato com as plantas, o parque e a natureza várias vezes na semana...


...quando a gente faz isso toda hora... a nossa vida muda.


E você percebe como fica muito mais fácil ouvir seu coração...


...e entender o que faz bem para você...


...quando as plantas estão presentes, quando a Natureza está presente.



Foi dentro desse processo que, em umas aulas, a professora estava falando uma lista de plantas de ambientes internos...


...que eu ouvi mais ou menos assim:


"samambaia, café de salão, zamiocuca, Peperômia [pliiimmm - tocou um sininho na minha mente -  eu não sei o que vai ser mas vai ter esse nome!] ...nia, clorofito..."


Ali apareceu a gravidez da Peperômia. Ainda não tinha visto o rostinho dela...


...ainda sem saber o que ela traria para as pessoas, ou o quanto a gente se beneficiaria com o nascimento dela...


...ela já tinha seu nome: Peperômia.




E, depois que nasceu...

... enquanto você vai acompanhando a Peperômia você também percebe:


As plantas são o meio para algo muito maior, muito mais importante e significativo que vai iluminar e transformar sua vida.



E quando você deixa o método da Peperômia trazer de volta a Natureza na sua vida...


...aperta seu cinto porque a viagem é boa!



Tranquilidade, cooperação, saúde, verde...


...você escolher como é a vida que você quer ter e muito mais...


Tudo isso já é seu, a Natureza já deu pra você.

E a Peperômia leva você a conquistar o que é seu, a descobrir a si mesma e o poder da sua Natureza :)



Por isso é uma bênção podermos compartilhar a Peperômia com você...


...e tem muito mais pela frente, porque este é só o começo ;)


Seja incrível como a Natureza que você é. 


Um abraço de Luz!


Leticia Momesso

Criadora e Idealizadora da Peperômia Urbana
Jardins que Fazem Bem e Cabem em Qualquer Lugar


PS: Uma das formas de começar a fazer micro jardins com o que você já tem em casa é fazer Jardins na Rolha.

É tanto uma forma fácil de encantar os amigos...
...quanto um método rápido de fazer uma renda extra com jardins. 
>>> Quero Saber Mais sobre Jardim na Rolha